Saturday, June 25, 2005

Fascismo e comunismo: utopias socialistas

O fascismo é socialista. Com efeito, o nome do fascismo é socialismo nacional: "...No grande rio do fascismo, escrevia Mussolini em 1932, encontrareis as correntes de Sorel, de Péguy, do Lagardelle do Movimento Socialista e da coorte dos sindicalistas italianos...". Este socialismo, contudo, no âmbito econômico, preserva a propriedade privada, embora de maneira precária, sob constantes ameaças de confisco. O nazismo confiscou armas e automóveis, só para lembrar. Em âmbito político, o homem só vale na medida em que está integrado a um todo: a coletividade. O homem não existe. O que existe é o "produtor", ou seja, o ser capaz de produzir. Esta noção superdimensionada de "produtor" serviu como inspiração para a execução de barbaridades como a eliminação física de pessoas incapazes de produzir, como por exemplo o programa T-4 (Tiergartenstrasse-4) na Alemanha. Hoje, tais barbaridades vão sendo requentadas como sustentação ideológica para levar a frente os abortos de crianças anencéfalas. Logo, tanto para o fascismo como para outra modalidade de socialismo não há direitos humanos. O que há fundamentalmente são os direitos sociais. Isto quer dizer que o fascismo não garante o sagrado direito à vida, se assim pensar. A vida, para o fascismo, só vale na medida em que a nação lhe confira este valor. Neste sentido, o direito dos nascituros não é garantido. O direito natural não existe. Os direitos sociais comandam a nação.

No pensamento fascista e Hegel, é o Estado a "síntese final da liberdade" (Hegel, D. Georg Wilhelm Friedrich - Grundlinien der Philosophie des Rechts; Nicolaische Buchhandlung Berlin 1821, par. 257, S. 241). Mais claro, neste particular, é Panunzio, grande admirador de Hegel, a cuja doutrina filia o Estado fascista. Referindo-se, em longa nota, às discussões travadas na Itália, sobre o assunto, adverte, contudo, que "não quer nem deve falar da filosofia. O conceito hegeliano do Estado é indubitável o seu nexo histórico e ideológico com o Estado fascista" (Panunzio, Sérgio - Teoria generale dello Stato Fascista; Casa ed. Dott. A. Milani; Padova 1937-XV, p. 18). Subsistia a esperança de realizar a "síntese da antítese: classe e nação" (Les Origines du Fascisme, Robert Paris, Khronos, 1972, p. 63).

Os nazistas professavam um socialismo diferente do socialismo de Marx: "O marxismo não é socialismo. Socialismo e comunismo não são a mesma coisa. Os marxistas se apropriaram do termo e mudaram seu significado. Ao contrário do marxismo, o socialismo não implica em negar a própria personalidade. Ao contrário do marxismo, o socialismo é patriótico. Não somos internacionalistas; nosso socialismo é nacional" (Adolf Hitler, 09 de julho de 1932, entrevista à revista norte-americana "Liberty"). A base filosófica, porém, era a mesma: Hegel e seu processo dialético da história.

Tanto Marx quanto Hitler têm suas origens filosóficas em Hegel. É aqui que encontramos uma intersecção entre Marx, Hitler e Darwin. O nazismo (variante do fascismo) brotou do Nietzscheísmo.

O fascismo (nazismo) é alinhado ao determinismo (tecnocrático ou biológico) e tende a enfatizar os conflitos desiguais a partir do que os mais aptos devam governar. O marxismo enfatiza que o progresso social se dá pelos estágios da revolução, enquanto a um mesmo tempo paradoxalmente enfatiza paz e igualdade.

Tanto um quanto outro partem de teses e antíteses.

A tese do marxismo era o proletariado e a antítese a burguesia, como desejo de se criar uma síntese: a utopia. A tese do nazismo era o povo alemão e a antítese eram os judeus, com o desejo de se criar a sociedade ariana (síntese).

O socialismo não se resume apenas ao aspecto econômico, pois o aspecto econômico é apenas uma esfera de poder, preservando ainda que precariamente a propriedade privada. Em âmbito filosófico, o homem vale apenas na medida em que está integrado a um todo: o GRUPO. Aí está o socialismo. Na Alemanha, o homem era medido em função de sua integração a um determinado grupo: a raça.

A questão dos "direitos humanos" para o socialismo não passa de mais um simples slogan revolucionário. O que há fundamentalmente são os direitos sociais; coletivos. A vida, para os socialismos, só vale na medida em que a nação ou o partido lhe confiram este valor. Daí para o genocídio, não é um salto, mas um pulo. Neste sentido, nega-se o indivíduo e apenas direitos sociais comandam a nação, o que é o fundamento de todo tipo de socialismo, nacional ou internacional.

Benito Mussolini declarou: "tudo no Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado". Como bem disse Charles Maurras: "Quando o Estado se torna tudo, o Estado não é mais nada". Segundo ele, "a sociedade, tanto espiritual como temporal, é anterior - lógica e historicamente - ao Estado". Com efeito, "o Estado e a sociedade são coisas distintas. A sociedade começa pela família, sua primeira unidade. Continua no município, na associação profissional e confessional, na variedade infinita de grupos, corporações, companhias e comunidades, na ausência dos quais toda vida humana desapareceria. O Estado é apenas um órgão, indispensável e primordial, da sociedade. O Estado, qualquer que seja ele, é o funcionário da sociedade" (Charles Maurras, Mes idées politiques, 1937, p. 122).

Segundo Pierre Chaunu, nazismo e comunismo são "gêmeos heterozigotos" (que têm características genéticas diferentes), o que os torna, apesar de inimigos e originários de histórias e povos distintos, assemelhados em várias características.

"Eles se colocam como objetivo chegar a uma sociedade perfeita, destruindo os elementos negativos que se opõem a ela. Eles pretendem ser filantrópicos, pois querem, um deles, o bem de toda a humanidade, o outro, o do povo alemão, e esse ideal suscitou adesões entusiásticas e atos heróicos. Mas o que os aproxima mais é que ambos se dão o direito - e mesmo o dever - de matar, e o fazem com métodos que se assemelham, numa escala desconhecida na História".

No comments:

Post a Comment

Seja responsável em seus comentários. Caso se verifiquem comentários ofensivos e/ou racistas, estes poderão ser apagados. Críticas ao catolicismo serão sumariamente apagadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...