Monday, October 10, 2005

SIGNIFICADO JUDAICO DO MITO DE HIRAM

Excerto extraído do capítulo VIII do Livro Quinto de “Simbolismo da Maçonaria”, Mons. Meurin, pgs. 34 – 36; SJ. Ed. NOS – Madri, Espanha, 1957.

O presente texto resume admiravelmente a dependência do fabulário maçônico em relação à Kabbala judaica. Prova inequivocadamente que a seita infame dos “Filhos da Viúva” não é nada mais que uma invenção da judiaria para tapear os Goyim (não-judeus).

Como é sabido o “Drama de Hiram Abi” é a base da Maçonaria. É a invenção em que se baseia e pantomima feita para conceder o grau terceiro, de “Mestre” e ao redor da qual todos os demais graus giram.

“Nos capítulos precedentes restava sempre certo número de símbolos maçônicos mais ou menos inaplicáveis. Neste, tudo quanto representa um papel na Maçonaria e sua lenda se aplica à judiaria com uma facilidade assombrosa. Na realidade, tudo quanto existe na Maçonaria é profunda, exclusiva, apaixonadamente judaico desde o princípio até o fim”.

“Que interesse podem ter as demais nações em reconstruir o Templo de Salomão? O que fazem por elas mesmas ou pelos judeus? São estas nações ou os judeus que obterão disso algum benefício? Que vantagens representam para elas devorarem-se umas às outras afim de que triunfem em todo o mundo os “Príncipes de Jerusalém” (grau 16), “Chefes do Tabernáculo” (grau 23) ou “Príncipes do Tabernáculo” (grau 24)? Se puserem de acordo todas as nações para “servir de escabelo aos pés dos judeus”? Por que pois se apressam a colocar a Coroa (Kether) em sua cabeça e o Reino (Malkhuth) sob seus pés?”

“É tão evidente que a Maçonaria nada mais é que uma ferramenta nas mãos dos judeus, que são os que a manejam, que a gente se sente tentado a crer que os maçons não-judeus perdem a inteligência e a faculdade de raciocínio no mesmo dia em que pela primeira vez lhe vendam os olhos”.

“Ao falar dos judeus não nos referimos por nem um momento aos ortodoxos de antes de Cristo. Aqueles se converteram ao ver cumprirem-se em Jesus, o Filho de Davi, e na Virgem Maria todas as profecias, tipos e símbolos messiânicos do Antigo Testamento. Falamos dos judeus heréticos, e da seita kabbalista, talmúdica e farisaica cujas origens remontam os tempos do cativeiro da Babilônia e cujas ramagens tenazes chegaram a nossos dias e constituem o que se chama ‘a Sinagoga decaída’”.

“Hiram é a personificação do povo judeu e de tal sinagoga. É a sinagoga que constrói seu templo nacional, sob a figura do Templo de Salomão, sendo esse o representante do Rei de Judá chamado hoje Príncipe do Exílio ou ‘Exilarca’. Enquanto Sadoc representa na lenda de Hiram o Sumo Sacerdote, hoje chamado o ‘Patriarca’”.

“Os três inimigos que matam Hiram e interrompem a construção do Templo são a Igreja Cristã, o estado Cristão e a Família Cristã. Os três salvadores são a Kabbala, os Templários e a Maçonaria. A ‘Viúva’ é a Sinagoga e os ‘filhos da viúva’ os filhos de Israel dispersos por todo o mundo e os filiados às lojas. O ‘Homem’ por excelência é o judeu; a Humanidade, a judiaria e os ‘irmãos’ maçons”.

“A perseguição de Hiram que terminou em sua morte simboliza a preparação do reinado de Jesus Cristo, que se cumpriu pelo estabelecimento da Igreja após a queda da Sinagoga. A procura do corpo de Hiram representa os esforços dos judeus para abater a Igreja e restabelecer a Sinagoga decaída, a sinagoga kabbalístico-talmúdica. A descoberta do corpo de Hiram visa prefigurar o restabelecimento do poder judaico, o ‘Kether – Malkhuth’ de Esther e Mordechai. A morte atroz a que foram condenados os assassinos de Hiram representa o castigo reservado aos reis cristãos, ao clero católico e à nobreza das nações cristãs ou, numa palavra, a extinção do Cristianismo pelo ferro e o fogo”.

“Salomão significa aqui certamente o Rei de Israel, mas o rei ortodoxo; a Sinagoga extinta necessita de um rei cabalístico. Isto explica tudo quanto se diz na lenda de Hiram; sobre sua participação no assassinato deste e sua conversão final ao culto de Moloch, o Deus – Fogo”.

“Balkis, a Rainha de Sabbath, é o povo a quem Salomão oferece seu amor, mas, que no final, se alia a Hiram. Os operários mestres, companheiros e aprendizes comandados por Hiram e capazes de compreender seus gestos kaballísticos são os maçons, seguidos pelo populacho sempre pronto a agir sob seu impulso e direção. A reprimenda que Balkis faz a Salomão por ter arrancado a vinha plantada por Noé, assim como a predição da infame crucificação do ‘último príncipe de sua raça’ são de caráter eminentemente judaico”.

“O templo é o reino universal dos judeus, estendendo-se de Leste a Oeste e de Norte a Sul, sob a abóbada do firmamento. As doze colunas são as doze tribos de Israel: as colunas J e B já não são Jakin e Boaz, mas Judah e Benyamin, as duas tribos fiéis. Enquanto que as dez tribos perdidas são representadas pelas outras dez colunas”.

“O cordão com doze nós que entrelaça as doze colunas e começa na borda da coluna de Judah e termina na da coluna de Benyamin; mais as pinhas, são emblemas de fecundidade dos filhos de Israel. A câmara do centro e a árvore do centro, significam a sinagoga suprema, ou os chefes de Israel sob a presidência do Exilarca”.

“As ferramentas maçônicas – martelo, compasso, esquadro, etc, simbolizam a ação multiforme da Sinagoga para chegar a seu fim, ‘o Kether - Malkhuth’”.

“A história dos judeus propriamente dita está representada no grau quinze – ‘Cavaleiro do Oriente ou da Espada’ por Ciro, que concedeu a liberdade aos cativos e deu permissão a Zorobabel, que tinha então por volta de setenta anos, para reconstruir o templo. No grau dezesseis, ‘Príncipe de Jerusalém’, por Dario que ordenou aos Samaritanos que se submetessem aos israelitas; e no grau dezessete, Cavaleiro de Oriente ou de Ocidente’ , pelos judeus que se unem aos gnósticos, joanistas e templários”.

“No grau dezoito, o de “Rosacruz”, os mesmos celebram o Pesach (Páscoa) judaica, zombando da cristã e debochando da paixão de Jesus Cristo. É aqui que o ódio inexaurível do judeu se permite todos os sacrilégios possíveis contra o Divino Salvador”.

“Nos graus seguintes se esboça em largos traços o reino desejado da judiaria, sob a forma de uma Jerusalém celeste com seu Sumo Pontífice (grau dezenove), Grão Patriarca (grau 20), seu Chefe do Tabernáculo (grau 23), Príncipe do Tabernáculo (grau 24) e seu Soberano Comandante do Templo (Grau 27)”.

No comments:

Post a Comment

Seja responsável em seus comentários. Caso se verifiquem comentários descontextualizados e criminosos, estes poderão ser apagados.

Ofensas ao catolicismo serão sumariamente apagadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...