Sunday, July 14, 2013

Judeus etíopes se preparam para migrar para Israel


Numa tarde recente no norte da Etiópia, 200 rostos ansiosos acompanhavam uma lista de chamada pausadamente recitada por um homem de terno, numa sinagoga de chão de terra, teto de zinco e bandeiras de Israel nas paredes improvisadas.

Metade saiu de lá satisfeita. Acabavam de ser selecionados para uma entrevista com o governo israelense, parte do longo processo para fazer "aliyah", a imigração para o Estado judeu.

Para os demais, restou esperar mais, uma rotina que muitos já seguem há tempos. "Felizmente, Deus me deu o dom da tolerância", diz Muluken Azeze, 55, um ex-professor que há 20 anos espera para fazer a viagem.

Moradores da cidade de Gonder, todos são parte da mítica "tribo perdida de Judá", descendentes de judeus que se desgarraram há 3.000 anos da Terra Prometida.

Segundo a lenda, são de uma linhagem que remonta ao rei judeu Salomão e à rainha etíope Sabá.

Menelik, filho deles, teria migrado para a Etiópia para criar uma nova Jerusalém, liderando o povo judeu e levando como amuleto a Arca dos Dez Mandamentos.

Menos fantástica e com maior base histórica, a teoria mais aceita é que os judeus chegaram à região há 2.500 anos, vindos do Egito, seguindo o curso do rio Nilo até uma de suas nascentes, no Lago Tana, perto de Gonder.

Seus ancestrais teriam fugido após a destruição do Primeiro Templo de Jerusalém pelos babilônios, em 587 A.C.

Seja como for, os "falash", como são conhecidos, formaram durante séculos uma comunidade virtualmente isolada num país majoritariamente cristão e com expressiva minoria muçulmana.

Tinham uma forma primitiva de seguir sua religião. Desconheciam o Talmud, por exemplo, um dos documentos sagrados do judaísmo, nem tinham rabinos. Também praticavam sacrifícios de animais, algo que já havia caído em desuso em outras comunidades judaicas.

No século 20, após o estabelecimento de Israel, a comunidade, que chegou a ter 100 mil pessoas, foi "redescoberta" e incentivada a imigrar, como ocorreu com judeus de todo o mundo.

Mas foi nos anos 80 que começaram enormes operações com nomes como Moisés, Josué e Salomão, para resgatar judeus da fome e das guerras etíopes. Cerca de 30 mil foram levados por avião para Jerusalém, uma das maiores operações de remoção da história. Outros 70 mil migraram por conta própria.

CRISTÃOS

O assunto parecia encerrado, mas voltou à tona em 2010. O foco passou a ser uma comunidade de cerca de 7.000 pessoas conhecidas como "falash mura". Nada de novo, não fosse um ponto: eles nem judeus são.

Com a ajuda de um forte lobby nacionalista em Israel e apoio de judeus endinheirados nos EUA, conseguiram convencer o governo de que seus antepassados foram forçados a se converter para o cristianismo por missionários ocidentais no século 19.

A tese é polêmica e provoca reação no país. "Cada onda de etíopes que chega tem laços mais tênues com o judaísmo", diz Stephen Kaplan, professor da Universidade Hebraica de Jerusalém que estuda o tema.

Nos últimos três anos, os "falash mura" vêm sendo levados para Israel em voos de carreira ou charters, ao ritmo de 50 a 100 pessoas por mês.

Em Gonder, os últimos serão "resgatados" até o final do mês que vem.

A tarefa é coordenada por Asher Seyum, 43, etíope que escapou aos 12 anos da guerra cruzando a pé para o Sudão junto da família, no início dos anos 80.

De lá, migrou para Israel, entrou para o serviço diplomático e retornou a seu país de origem 29 anos depois, com mulher e dois filhos pequenos, para encerrar o último capítulo do que vê como uma missão de três milênios: a reunião do povo judaico.

"Estamos encerrando um capítulo histórico. Imagine o que isso significa para mim, um ex-refugiado", diz.

Formalmente seu título é diretor da Agência Judaica de Israel. Mas a função é bem maior do que o título burocrático sugere: é ele o portador de boas notícias para os que vão e o encarregado de novamente pedir paciência aos que ainda ficam.

Muitos jamais mudarão para Israel. Não convenceram o governo de que descendem de judeus, já que o processo, baseado sobretudo em entrevistas e na história oral, tem alguma subjetividade.

Outra dificuldade é preparar pessoas que vêm de vilarejos de um dos países mais pobres do mundo (173º no ranking de desenvolvimento humano da ONU) e vão para um dos mais industrializados (16º nessa mesma lista).

Enquanto esperam, os "falash" recebem assistência médica numa clínica do governo e uma cota de 25 kg a 80 kg de farinha por mês, base do injera, pão borrachudo que é o arroz-feijão do país.

PRECONCEITO

Muitos dizem que a migração será uma realização espiritual, um reencontro com antepassados, mas poucos escondem que há interesses materiais. "Minha irmã já foi para lá e me disse que a vida é melhor", diz Abe Tesfaw, 29, que vive de bicos em Gonder.

São otimistas mesmo com a inevitável dificuldade de adaptação e o preconceito que muitas vezes sofrem. Ao chegarem a Israel, os etíopes passam de 12 a 18 meses em centros de adaptação.

Quando saem, teoricamente estão preparados para conseguir sobreviver de forma autônoma. Mas têm taxa de desemprego de quase 20% (o triplo da média do país) e poder aquisitivo um terço menor do que não etíopes.

"O Estado faz um esforço grande para integrar os etíopes, e há uma série de casos individuais de sucesso. Mas como comunidade eles ficam abaixo da média do país", diz o professor Kaplan.

Mesmo ainda aprendendo a serem judeus, muitos parecem genuinamente interessados na nova fé. Ao final do evento na sinagoga de Gonder, o grupo --homens de quipás coloridos de crochê, mulheres de longos vestidos brancos-- acompanhou com fervor um culto. A maioria é habitué do local. "Rezo todos os dias, como manda o Velho Testamento", diz Tesfaw.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/07/1310913-judeus-etiopes-se-preparam-para-migrar-para-israel.shtml

5 comments:

  1. Deveria ter um estudo mais detalhado sobre os FALASH MURA e as outras tribos perdidas de Israel da Africa.....

    ReplyDelete
    Replies
    1. Anonymous12:23 AM

      Concordo plenamente! Sem duvida todas as tribos perdidas na África devem voltar a qualquer custo para israel. Por uma israel mais acolhedora e humilde. Para o bem das tribos perdidas e de toda Humanidade. Amen. :-)

      Delete
  2. Anonymous1:23 PM

    http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,450-judeus-etiopes-chegam-a-israel,1068792,0.htm

    ReplyDelete
  3. Anonymous12:18 AM

    DEPOIS ELES DIZEM QUE NÓS SOMOS RACISTAS":

    http://www.libertar.in/2013/09/impressionante-blog-da-dilma-associa.html

    http://www.libertar.in/2013/09/impressionante-blog-da-dilma-associa.html

    http://www.libertar.in/2013/09/impressionante-blog-da-dilma-associa.html

    http://www.libertar.in/2013/09/impressionante-blog-da-dilma-associa.html

    http://www.libertar.in/2013/09/impressionante-blog-da-dilma-associa.html

    ReplyDelete
    Replies
    1. Anonymous12:27 AM

      Muito obrigado por compartilhar e expor essas atrocidades!

      Delete

Seja responsável em seus comentários. Caso se verifiquem comentários descontextualizados e criminosos, estes poderão ser apagados.

Ofensas ao catolicismo serão sumariamente apagadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...