Tuesday, December 27, 2016

Diferenças raciais em inteligência



Cristãos são obrigados a falar a verdade.  Proclamar uma verdade impopular é sustentar o legado dos profetas de Deus.

Uma avaliação honesta da história afro-étnica demonstra que esse grupo raramente contribuiu ao progresso intelectual da humanidade.  Pesquisas sugerem que isso é devido à reduzida inteligência média.

O último parágrafo é heresia moderna, e simplesmente discutir essa verdade em alguns países é suficiente para ser atirado na cadeia por “discurso de ódio”.  No mesmo ponto, porém, a verdade ser pronunciada.  A civilização ocidental não pode mais tolerar perniciosas mentiras igualitárias.

TESTES DE QI

Quase todo estudo científico conduzido confirmou que o QI médio afro-étnico é mais baixo do que as médias de asiáticos e euro-étnicos.

Testes de QI têm estudado as diferenças entre grupos étnicos por um século, [1] e as mesmas diferenças em inteligência existiram por décadas sem maiores mudanças. [2] O QI médio para americanos europeus é de 100, para afro-americanos é somente de 85. [3] Não obstante as mudanças sociais e econômicas, essa diferença persiste inalterada.

Em um livro publicado em 2006, O Professor da Universidade de Ulster, Professor Richard Lynn, concluiu que o QI médio de africanos sub-saarianos era de 67. [4] Depois de considerar essa peça de informação, a causa da disfunção da África se torna óbvia.  Africanos não são simplesmente inteligentes o suficiente como grupo para desenvolver uma civilização de Primeiro Mundo.

A antiquada definição médica de um “idiota” é uma pessoa com um QI entre 50 e 70. [5] A África é um continente habitado com residentes mentalmente deficientes.  Cristãos podem não apreciar esses fatos, mas Deus aparentemente viu como adequado desenhar os grupos étnicos africanos com baixa inteligência média.

Um QI de 50 a 70 é associado com crianças euro-étnicas de 9 a 12 anos. [5] A África é um continente dominado pelos equivalentes mentais de crianças.  Comparações poderiam ser feitas com o “Senhor das Moscas”.

Igualitaristas raciais poderiam negar a precisão dos testes de Lynn acusando-o de “racismo”.  Mais importante, porém, é que a maioria dos cientistas de inteligência concorda com as conclusões de Lynn.

Em 1994, os maiores peritos em inteligência no mundo lançaram um documento para clarear suas crenças sobre inteligência e genética.  O documento intitulado “Ciência Dominante em Inteligência” (Mainstream Science on Intelligence) foi publicado no Wall Street Journal.  Brevemente antes de sua publicação, a grande mídia começou a falsamente alegar que a ciência confirmou a igualdade étnica em QI.  O documento foi assinado por 52 dos principais cientistas em inteligência no campo.  Lê-se nele que:

A curva de sino para brancos é centralizada aproximadamente no QI de 100; a curva de sino para afro-americanos aproximadamente em 85; e para diferentes subgrupos de hispânicos aproximadamente no meio entre aqueles de brancos e negros.  A evidência é menos definitiva para exatamente onde acima do QI de 100 as curvas de sino para Judeus e Asiáticos estão centralizadas”. [2]

NÃO É AMBIENTAL

Poderia ser sugerido que o QI é principalmente determinado pelo ambiente depois de observar que afro-americanos têm QIs médios mais elevados do que seus primos africanos.  Porém, essa disparidade é rapidamente explicada quando se considera que afro-americanos são misturados com euro-étnicos.  Seu DNA europeu tem os tornado mais espertos.

O Professor da Universidade de Harvard, Henry Louis Gates, escreveu em 2009 que “Afro-americanos... são um povo racialmente misturado ou mulato — profundamente e predominantemente.” [6]

Quanto maior ancestralidade africana alguém possua, mais provavelmente tem menor inteligência.  Cor escura geralmente indica QI mais baixo.  Uma publicação resumiu assim:

Crianças negras com cor mais clara... têm QI médio mais elevado.  Na África do Sul, o QI das populações misturadas racialmente têm média de 85, intermediando os Africanos com 70 e os brancos com 100.” [7]

Essas conclusões politicamente incorretas têm forçado muitos euro-étnicos liberais a procurarem explicações alternativas para baixa inteligência afro-étnica.  Uma das explicações comuns é expressada como “status sócio-econômico”.  Essa explicação assegura que se crianças afro-americanas pertencessem à mesma classe econômica que as crianças euro-americanas, a diferença intelectual atingida terminaria.  Nesse caminho é argumentado que a pobreza, em lugar da genética, seja a principal causa da baixa performance dos afro-étnicos.

Essa explicação, porém, tem sido explorada pelas ciências sociais e biológicas.  Um fato pouco conhecido é que estudantes afro-americanos provenientes de famílias com rendas anuais de mais de $160.000 pontuam menos do que aqueles estudantes euro-americanos provenientes de famílias com rendas anuais menores que $20.000. [8]

Em outras palavras, afro-americanos mais ricos são menos inteligentes do que euro-americanos empobrecidos.

O jornal “The New York Times” expressou esse fato com pesar em 2010:

Pobreza isoladamente não parece explicar as diferenças [em performance escolar]: garotos brancos pobres pontuam tanto quanto garotos afro-americanos que não vivem na pobreza, medida caso se qualifiquem para escolas com lanches subsidiados.” [9]

Nos anos 70, Richard Weinberg e Sandra Scarr conduziram uma investigação em que testaram e estudaram crianças pequenas afro-americanas que foram adotadas e educadas por pais euro-americanos de classe média-alta.  Os resultados foram surpreendentes.

Apesar de estarem cercados pela riqueza e cultura euro-étnica, ao tempo que as crianças tinham 17 anos seu QI era idêntico à média afro-americana em seu país natal.  O estudo sugeriu que educação e ambiente têm pouco efeito sobre inteligência, e que o QI é determinado primariamente pela genética. [10]

Como a ciência da inteligência expandiu-se desde os anos 70, cientistas têm se tornado mais e mais pessimistas a respeito dos efeitos do ambiente sobre o QI.  Hoje, a maioria dos peritos em inteligência reconhece que até os mais radicais movimentos ambientais têm pouco ou nenhum efeito sobre o QI adulto.

Em 2014, Gregory Clark, professor de economia na Universidade da Califórnia, escreveu uma coluna no New York Times explicando que economia e sucesso cognitivo eram largamente resultado dos genes herdados:

…estudos de adoção, em algumas formas a mais dramática das intervenções sociais, sustentam essa visão.  Um número de estudos de crianças adotadas nos Estados Unidos e países nórdicos mostram convincentemente que suas chances de vida são mais fortemente preditas de seus pais biológicos do que de suas famílias adotivas.  Nos Estados Unidos, por exemplo, o QI de crianças adotadas correlaciona-se com o de seus pais adotivos quando jovens, mas a correlação é próximo a zero na maioridade.  Há baixa correlação entre renda e realização educacional de crianças adotadas e aquelas de seus pais adotivos.” [11]

Se o ambiente tem quase nenhum efeito sobre a inteligência, então a performance inferior dos afro-americanos é quase certamente ligada a deficiências cognitivas produzidas pela herança genética.

Por quanto tempo o mito da igualdade intelectual étnica sobreviverá?  Por quanto tempo os americanos serão enganados sem perceberem que os afro-americanos não são intelectualmente capazes de sustentar a civilização ocidental?

Espantosamente, na medida em que a ciência têm constantemente desmantelado as falhas da igualdade étnica em inteligência pelo último século, essa idéia continua a dominar o pensamento popular.  Nas décadas precedentes aos anos 60, porém, a maioria dos americanos aceitava a verdade da desigualdade.  O mito igualitário somente representou consenso por cerca de 40 anos.

SENSO COMUM

Mesmo antes do teste de QI, escaneamentos do cérebro e registros estatísticos freqüentes, europeus sentiam intrinsecamente que afro-étnicos não eram tão inteligentes quanto asiáticos e ocidentais.

No início do século XIX, o famoso filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel desenvolveu uma filosofia de história que envolva toda região do mundo exceto a África.  Ele explicou sua lógica para excluir a África da história humana:

O peculiar caráter africano é difícil de compreender, pela plena razão que em referência a isso, devemos abrir mão completamente do princípio que naturalmente acompanha todos nossos ideais – a categoria da universalidade.  Na vida [negra] o ponto característico é o fato que a consciência ainda não chegou à realização de qualquer objetivo de existência substancial, - como por exemplo, Deus, ou Lei – em que o interesse volitivo do homem esteja envolvido e em que ele perceba seu próprio ser.  Essa distinção entre si como um indivíduo e a universalidade de seu ser essencial, o africano na uniforme e não-desenvolvida unicidade de sua existência ainda não o atingiu; de maneira que o conhecimento de um Ser absoluto, um Outro e um Mais Elevado que seu individual, encontra-se inteiramente ausente.  O [negro], como já observado, exibe o homem natural em seu estado completamente selvagem e indomado.  Nós devemos colocar de lado todos pensamentos de reverência e moralidade – tudo o que chamamos de sentimento – se nós o compreendêssemos com razão; não há nada harmonioso com a humanidade a ser encontrado nesse tipo de caráter.  As descrições copiosas e circunstanciadas dos missionários confirmam isso completamente, e o maometismo parece ser a única coisa que de qualquer forma serve ao interior da extensão da cultura [afro-étnica]…

Nesse ponto deixamos a África, para não mencioná-la novamente.  Pois essa não é uma parte da história do Mundo; não tem qualquer movimento ou desenvolvimento a exibir.  Movimentos históricos nele – isto é, em sua parte norte – pertencem ao Mundo Asiático ou Europeu.  Cartago revelou ali uma importante fase de transição da civilização; mas, como uma colônia Fenícia, pertencente à Ásia.  Egito será considerado em referência à passagem da mente humana desde sua fase Oriental a sua fase Oriental, mas não pertence ao espírito Africano.  O que propriamente entendemos por África é o espírito não-histórico, não-desenvolvido, ainda envolvido nas condições da mera natureza, e que deve ser apresentado aqui somente como um limiar da história mundial.” [12]

Hegel pensava profundamente a respeito dos motivos pelos quais os afro-étnicos eram indignos de um lugar na história da humanidade.  Porém, Hegel estava somente expressando o sentimento geral de seus intelectuais contemporâneos.

Entre aqueles que concordavam com Hegel estava o famoso pensador escocês David Hume.  Ele escreveu no século anterior:

Sou capaz de suspeitar [aqueles de descendência africana] ... sejam naturalmente inferiores aos brancos.  Nunca houve uma nação civilizada de qualquer outra aparência que a branca, nem mesmo qualquer indivíduo eminente tanto em ação ou especulação.  Nenhuma manufatura engenhosa entre eles, nenhuma arte, nem ciência.  Por outro lado, o mais rude e bárbaro dos brancos, tais como os antigos alemães, os atuais tártaros, têm ainda algo eminente a respeito deles, em seu valor, forma de governo.  Uma tal diferença uniforme e constante não poderia ocorrer em tantos países e eras, caso a natureza não tivesse feito uma distinção original entre essas raças humanas.” [13]

O afamado historiador Arnold Toynbee escreveu em seu livro de história, em 1934 que: “será visto que quando classificamos a humanidade por cor, a única raça principal que não deu uma contribuição criativa a qualquer civilização é a raça negra.” [14]

A lista de pessoas famosas que reconheceram que afro-étnicos não eram tão brilhantes quanto eurasianos poderia ser facilmente expandida.

POR QUE IMPORTA?

Inteligência é vinculada ao sucesso e renda, violência e desviados sociais. [15] [16] Por todos os EUA, os afro-étnicos e Latinos estão sendo levados a odiar euro-étnicos americanos “racistas” por “reprimi-los”.  Crime, disfunção familiar, disparidades em educação e pobreza são todas culpadas de “racismo” quando são, em verdade, causadas pelas diferenças genéticas desenhadas por Deus.

Afro-americanos são levados a detestar euro-étnicos americanos a respeito de uma situação grupal que não possuem controle.  Esse constante jogo de culpa está produzindo animosidade e ressentimento.  Afro-americanos acreditam que euro-étnicos são “racistas”, e estes últimos se ressentem por estarem sendo culpados por algo que não podem remediar.  Muito pouco amor é possível em tal ambiente.

A verdade é a solução.  Somente depois que ambos os grupos reconheçam que o papel de Deus em criar essas disparidades pode nos mover na direção de caminhos possíveis a administrar essas desigualdades.  Se nunca aceitarmos a realidade, ódio e incompreensão crescerá.  A verdade nos libertará.

CONCLUSÃO

Antes das revoluções culturais dos anos 60, quase ninguém acreditava que os grupos étnicos eram mentalmente idênticos.  Desde o primeiro contato entre Europeus e Africanos ficou entendido que os Europeus eram os mais inteligentes entre os dois grupos.

O abandono dessa realidade é uma afronta à verdade e uma desgraça à nossa honestidade e inteligência.  Cristãos alegam servir o Deus que criou a humanidade, mas freqüentemente adoramos um ídolo igualitário que procura adulterar a criação de Nosso Senhor.

Apocalipse 22,15 ensina que aqueles que “amam e praticam a mentira” não entrarão na Cidade de Deus.  Deus criou as disparidades genéticas em inteligência entre etnias, e Ele espera que os cristãos as reconheçam.  Podemos ser odiados por contarmos a verdade a respeito de diferenças étnicas em inteligência, mas por fazer isso assumimos o papel do profeta em uma era atéia de mentiras.

Se formos lutar contra a injustiça social, necessitamos saber o material com o qual trabalhamos.  Devemos entender o que pode ou não ser feito.  Somente depois que tivermos medido nossos recursos, seremos capazes de descobrir precisamente as soluções mutuamente benéficas para nossos problemas.

Não podemos amar nossos vizinhos sem sabermos como propriamente fazê-lo.  Não podemos ajudar os povos afro-étnicos se não entendemos a maneira como pensam.  Aprender é o primeiro passo para amar nossos vizinhos.

NOTAS

[1] Rushton, Philippe and Arthur Jensen. “Thirty Years of Research on Race Differences in Cognitive Ability.” Psychology, Public Policy and Law (American Psychological Association). June, 2005. Via: University of Delaware. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://www.udel.edu/educ/gottfredson/30years/Rushton-Jensen30years.pdf

EXCERTO: “‘Nem a existência nem o grau de diferenças de raça em QI são um material de disputa, somente sua causa’, escreve os autores.  A diferença entre negro e branco foi encontrada consistentemente desde o tempo do sólido teste da Primeira Grande Guerra de 90 anos atrás a um sólido estudo de mais de 6 milhões de testagens em ambientes empresarial, militar e de ensino superior em 2001.’”
EXCERTO: “‘As diferenças de raça revelam-se com mais de 3 anos de idade, mesmo depois de adaptação na educação maternal e outras variáveis,’ disse Rushton.  ‘Portanto, elas não podem ser devido à educação pobre na medida em que isso não começou a exercer efeito.’”

[2] Rushton, Philippe J. and Arthur Jensen. “The rise and fall of the Flynn Effect as a reason to expect a narrowing of the Black–White IQ gap.” Intelligence journal. March-April 2010. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160289609001561

EXCERTO: “Numa análise de matemática e lendo as pontuações de tais testes, tais como o NAEP e o Relatório Coleman pelos últimos 54 anos, descobrimos que não houve qualquer estreitamento da diferença tanto de pontuações de QI quanto em realização educacional.  De 1954 a 2008, negros de 17 anos consistemente pontuaram mais ou menos no mesmo nível de brancos de 14 anos de idade, superando equivalentes de QI de 85 para 1954, 82 para 1965, 70 para 1975 e 81 para 2008.  Concluímos que as predições a respeito do estreitamento da diferença entre o QI de brancos e negros como um resultado de ascensão secular não tem fundamento.”

[3] Gottfredson, Linda. “Mainstream Science on Intelligence: An Editorial with 52 Signatories, History, and Bibliography.” University of Deleware. 1995. Acesso em 28 de Abril de 2016. www.udel.edu/educ/gottfredson/reprints/1997mainstrea m.pdf

[4] Lynn, Richard. “Race Differences in Intelligence.” Washington Summit Publishers (National Policy Institute). 2006. Page: 22-21 (PDF).
EXCERTO: “Estudos do QI dos africanos na África Subsariana encontram-se resumidos na Tabela 4.1. Explicações dos resultados arrumados na tabela são dados quando apropriados.  Linha 1 fornece um QI de 64 para trabalhadores adultos de Camarões.  Linha 2 fornece um QI de 64 para jovens homens da República Central Africana aplicando uma técnica de curso de treinamento emu ma universidade na cidade de Bangui durante os anos de 1951 a 1955.  Linhas 3 até 5 fornecem o QI de 64 para amostras do Congo-Brazzaville coletadas ao mesmo tempo nas cidades de Brazzaville e Pointe-Noire.  Linhas 6,7,8,9 e 10 fornecem o QI de 64, 68, 62, 68, e 65 para Congo-Zaire.  Linha 11 fornece um QI de 59 para Guiné Equatorial.  Linha 12 fornece um QI de 80 para adultos em Gana.  O QI excepcionalmente alto [80 para Gana] para a África Subsariana, possivelmente por causa da amostra veio da capital da cidade de Accra; o povo nas cidades da capital freqüentemente têm QIs mais elevados do que aquelas no resto do país, provavelmente porque há uma tendência para indivíduos mais inteligentes migrarem para a capital; QIs em Londres e Paris são mais elevados do que o resto da Inglaterra e França (Lynn, 1979, 1980).  Linha 13 fornece um QI de 62 para um amostra representativa extraída de Gana por inteiro…. A mais impressionante característica dos QIs de africanos na África Subsariana é que eles são consistemente mais baixos do que daqueles dos europeus especificados na Tabela 3.1 do Capítulo 3.  A mediana é 67 e é adotada como a melhor estimativa do QI dos africanos.”

[5] Wikipedia contributors, “Moron (psychology),” Wikipedia, The Free Encyclopedia, https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Moron_(psychology)&oldid=654205686 (Acesso 28 de Abril de 2016). Original Source: Zenderland, Leila (2001). Measuring Minds: Henry Herbert Goddard and the Origins of American Intelligence Testing. Cambridge University Press, ISBN 978-0-521-00363-6.
EXCERTO: “Moron’ foi cunhado em 1910 pelo psicólogo Henry H. Goddard a partir da palavra Grega Antiga μωρός (moros), que significa ‘estúpido’ (oposta a oxy, que significa ‘esperto’ (ver também: oxymoron)), e utilizada para descrever uma pessoa com uma idade mental na maioridade entre 8 e 12 na escala Binet.  Foi uma vez aplicada a pessoas com um QI de 51–70, sendo superior em um grau a ‘imbecil’ (QI de 26–50) e superior em dois graus a ‘idiota’ (QI de 0–25).”

[6] Gates, Henry Louis. “Michelle’s Great-Great-Great-Granddaddy—and Yours.” History News Network (George Mason University). October, 2009. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://historynewsnetwork.org/article/118292
EXCERTO: “Afro-americanos, assim como nossa primeira dama [Michelle Obama], são um povo racialmente misturado ou mulato—profundamente e predominantemente.  Fato: De forma geral, 58% do povo afro-americano, de acordo com o geneticista Mark Shriver da Morehouse College, possui pelo menos 12,5% de ancestralidade européia (novamente, o equivalente à de um bisavô). Na realidade, se eu analisei o y-DNA (que um homem herda exatamente de seu pais, e ele de seu pai etc.) de todos os jogadores negros na NBA, geralmente 1/3 (alguns entre 30 e 35%) descobriria, incrivelmente, que eram descendentes de um homem branco que engravidou uma negra, muito provavelmente uma escrava… Nos anos 60, éramos fãs em dizer que somos um “povo africano”.  Bem, nosso DNA proclama em voz alta que somos um povo europeu, um povo multicultural, um povo tão negro quanto branco.  Deveríamos nos imaginar como um povo afro-mulato, nossos genes recombinados naquele teste chamado escravidão.”

[7] Rushton, Philippe and Arthur Jensen. “Thirty Years of Research on Race Differences in Cognitive Ability.” Psychology, Public Policy and Law (American Psychological Association). June, 2005. Via: University of Delaware. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://www.udel.edu/educ/gottfredson/30years/Rushton-Jensen30years.pdf

[8] “Family Income Differences Explain Only a Small Part of the SAT Racial Scoring Gap.” Journal of Blacks in Higher Education. 2009. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://www.jbhe.com/latest/index012209_p.html

[9] Gabriel, Trip. “Black boys score far behind white students: Poverty alone doesn’t seem to explain gap; expert cites ‘racial differences.’” The New York Times. November, 2010. [The New York Times and NBC News.

[10] Jencks, Christopher and Meredith Phillips. “The Black-White Test Score Gap: Why It Persists and What Can Be Done.” Brookings Institute. Spring, 1998. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://www.brookings.edu/research/articles/1998/03/spring-education-jencks
EXCERTO: “Quando crianças negras ou mestiças são educadas em lares brancos em vez de negros, seus testes como pré-adolescentes crescem dramaticamente.  Esses pontos dos adotados parecem cair na adolescência, mas isso poderia facilmente ser porque sua ambiente social e cultural assemelha-se àquele de outros adolescentes negros.”

[11] Clark, Gregory. “Your Ancestors, Your Fate.” New York Times. February 1, 2014. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://opinionator.blogs.nytimes.com/2014/02/21/yourfate-thank-your-ancestors

[12] Hegel, Georg. “The Philosophy of History.” Dover Publications, 1956. Pages: 93-99. Via: University of Massachusetts. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://www.umass.edu/afroam/aa254_hegel.html

[13] Hume, David. “Of National Characters.” University of Virginia. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://graduate.engl.virginia.edu/enec981/dictionary/03humeK1.html

[14] Vaughn, Leroy. “Who Created Civilization?” Los Angeles Sentinel. October, 2000. Via: High Beam Research. Acesso em 28 de Abril de 2016. https://www.highbeam.com/doc/1P1-79456877.html

[15] Goodman, R and Simonoff and Stevenson. “The impact of child IQ, parent IQ and sibling IQ on child behavioural deviance scores.” Journal of Child and Adolescent Psychiatry, Institute of Psychiatry. March, 1995. Acesso em 28 de Abril de 2016. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7782405
EXCERTO: “Numa amostra epidemiológica de 411, gêmeos de 13 anos de inteligência normal, tanto os pais quanto professores relataram mais problemas ambientais entre crianças com QI mais baixo.  Isso não era atribuível aos efeitos do QI parental ou classe social e não era completamente mediado por realizações escolásticas mais baixas.”

[16] Irwing, Paul and Richard Lynn. “The Relation between Childhood IQ and Income in Middle Age.” The Journal of Social, Political, and Economic Studies. Summer, 2006. Acesso em 28 de Abril de 2016. https://www.questia.com/library/journal/1P3-1151105721/the-relation-between-childhood-iq-and-income-in-middle

EXCERTO: “O presente estudo examina se esse resultado pode ser reproduzido na Grã-Bretanha.  Os dados são reportados para uma amostra nacional cuja inteligência foi obtida na idade de 8 anos e cuja renda foi obtida na idade de 43 anos.  As correlações entre QI e renda eram 0.368 para homens (n = 1280) e 0.317 para mulheres (n=1085).”

4 comments:

  1. Continue firme com este ótimo BLOG,,posso te recomendar alguns? Veja:
    profeinde.blogspot.com/
    Acompanho sempre o seu blog!

    ReplyDelete
  2. PÚBERES NO CORTEX POR QUE NO SUB CORTEX ELES SÃO PIORES QUE OS ANIMAIS

    ReplyDelete
  3. NÃO SE PODE COMPARA-LOS COMO SUB CORTEX A RAÇAS EVOLUIDAS SEQUER AOS ANIMAIS DIRÁ

    IDEM MUITOS MESTIÇOS DELES

    ReplyDelete
  4. QUANTO A ESTRELA KHAZARA É UM IDEOGRAMA VISTO EM POVOS TURANIANOS NUNCA TEVE NADA A VER COM JUDAH O AUTO RELEVO DE ROMA NUNCA MOSTROU NADA ASSIM APENAS O MENORAH

    ReplyDelete

Seja responsável em seus comentários. Caso se verifiquem comentários descontextualizados e criminosos, estes poderão ser apagados.

Ofensas ao catolicismo serão sumariamente apagadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...